SEMEAR E COLHER

domingo, 30 de outubro de 2016

ABUSO ESPIRITUAL


Abuso espiritual: Quando o perigo está no púlpito da igreja

FAMILIA
FONTES
Para alguns evangélicos, estar na igreja se transformou numa experiência dolorosa que os tem levado para cada vez mais longe da presença de Deus

Se o mundo jaz no maligno, a Igreja do Senhor Jesus na terra deveria ser uma porta de esperança para os aflitos. Um hospital para os doentes da alma. Uma fonte de amor para os rejeitados e sofridos. Deveria ser a expressão da vontade de Deus neste mundo. Deveria, mas nem sempre é.
Infelizmente, há casos – e não poucos – em que muitas congregações se perdem no propósito de servir a Deus. Carregadas por líderes tiranos, manipuladores e dominadores, elas se tornam terrenos férteis para todo tipo de abuso espiritual – um termo ainda pouco debatido na teologia, mas muito conhecido e doloroso para quem dele se torna vítima.
Especialistas definem o abuso espiritual como o uso da posição de liderança ou de poder para seduzir, influenciar e manipular as pessoas a fim de alcançar interesses próprios. Quem pratica é muito hábil para passar a impressão de que aquilo que querem é do interesse de Deus e de Sua obra, quando, na realidade, é para satisfazer o ego. Já quem é vítima desse sistema pode demorar anos para se libertar e carregar por um bom tempo as marcas de dor, tristeza e revolta por ter sido abusado. Há quem forme grupo de autoajuda na internet, outros procuram psicólogos, terapeutas e psicanalistas, há quem se afaste da igreja e de Deus, e há casos extremos em que muitos fiéis entram em depressão, desenvolvem doenças graves e chegam até a cometer suicídio.
A terapeuta familiar Anna Eliza Simonetti conhece a fundo esse drama. Atendendo a muitas famílias evangélicas, ela já pôde perceber que a figura da liderança está sempre muito presente nos relatos que levam seus clientes ao consultório.
“Já atendi um pai que se opôs ao casamento da filha e a levou para ouvir o pastor. Lá, o pastor disse para ela não se casar com tal pessoa, que diante de Deus ela não seria feliz. A moça se casou. Então, na primeira pequena crise que ela teve com o marido, do que ela se lembrou? Da palavra do pastor, da ordem que ele tinha dado para ela não se casar. O pastor poderia ter aconselhado, mas não ter dito o que ela deveria ou não fazer”, contou a terapeuta.
Num outro caso, também atendido por Anna Eliza, um jovem estava confuso porque não conseguia decidir a quem obedecer: se ao pai ou ao líder da igreja. “O pai desse jovem iria abrir um ministério e pediu a ajuda do filho, que foi conversar com seu líder, na igreja. O líder disse que ele não tinha a bênção para sair da igreja local e o proibiu de ir ajudar o pai. O rapaz, então, entrou em conflito”.
Tendo em vista sua experiência, Anna Eliza traça um perfil dos ambientes em que o abuso espiritual é mais propício de ocorrer. “As igrejas onde o estilo de liderança é hierarquizado, onde o líder tem que dar conta da vida dos liderados, onde existe o ensino de que ‘eu só posso viajar se meu líder deixar’, ‘só posso comprar se meu líder autorizar’, são ambientes mais vulneráveis à manipulação”, afirmou. “Cheguei a atender um casal em que o líder dizia até quantas vezes eles tinham que ter relação sexual na semana, para manter a santidade. Isso é perigoso. Quando o líder dita as regras, se torna um prato cheio para a manipulação”. Para a especialista, além de gerar dependência emocional, imaturidade e problemas familiares, esse tipo de comportamento também pode se transformar numa revolta contra Deus.
Uma fotógrafa de Vitória, de 29 anos, conta como foi dolorido ouvir de seu pastor que não era bem-vinda na igreja: “Ele disse que eu era um peso para a igreja. Disse na frente de outro líder, e ninguém o repreendeu. Isso foi em 2012 e me gerou muitos danos emocionais. Eu saí de lá, mas até hoje carrego essa tristeza e lembro com dor esse fato”, disse a fotógrafa A., que pediu para não ser identificada.
Há casos, porém, em que a vítima de abuso resolve abandonar tudo, entregar-se à depressão e até tirar a própria vida. Foi o que aconteceu com uma jovem  que fazia parte de um pequeno grupo nos lares juntamente com o professor H., 46 anos (os nomes e o local do fato não serão divulgados a pedido dele).
Segundo o professor, a jovem, recém-convertida, fez uma viagem e ao voltar teria sido acusada de ter esfriado na fé. A discipuladora da moça teria insistido para que ela confessasse, diante da congregação, qual teria sido o seu pecado durante tal viagem. A jovem se recusou a se expor diante de todos e, chamada de rebelde, foi desligada do rol de membros. “A discipuladora disse que ela não se rendia à liderança e por isso a estava entregando a Satanás. Passado algum tempo, essa jovem se matou, o que me deixou profundamente abalado”, lamentou o professor.
Ele conta que também foi excluído da mesma igreja por questionar a atitude do pastor, que não visitava os membros em seus lares. “Você não serve para caminhar conosco”, teria dito o pastor ao expulsá-lo da congregação.
InspiraçãoFoi em busca de respostas para casos como esses que a jornalista Marília de Camargo César resolveu escrever o livro “Feridos em Nome de Deus”, que após seis anos de seu lançamento já vendeu mais de 20 mil cópias. Ela também relatou sua experiência pessoal na obra. “Fui membro de uma igreja durante 10 anos.
De um dia para o outro, surgiram denúncias de abuso de autoridade contra um dos pastores, muitos o acusavam de manipulação, abuso financeiro e daquilo que denominei de abuso espiritual. No começo ficamos atônitos. O livro nasceu assim”, lembrou.
Segundo sua pesquisa, o tipo mais comum de abuso é o financeiro, quando o líder utiliza a Bíblia para se autofavorecer. “Muitas pessoas que são abençoadas pelo pastor querem retribuir com presentes. É natural. O problema é quando isso passa dos limites e quando o líder passa a se ver como merecedor desses agrados e começa até a pedi-los. Sugiro no livro que os estatutos das igrejas contemplem um código de ética que defina um valor para esses presentes. Seria um jeito de proteger o próprio pastor”, disse Marília.
E ela completa: “Os assédios emocional e espiritual são mais sutis. O pastor humilha o fiel diante da congregação, tratando-o como um rebelde, um insubmisso, apenas porque ele ousou questionar um pensamento”. E isso continua acontecendo, segundo Marília. “Continuo recebendo mensagens de pessoas feridas. Isso é um termômetro que o abuso continua”.
Para o pastor e psicólogo Erasmo Vieira, da Igreja Batista de Morada de Camburi, em Vitória, os casos de abusos são frequentes e ocorrem da mesma maneira: “Todo tipo de abuso espiritual é oriundo de três fontes: a necessidade de poder, a necessidade de fama e a necessidade de dinheiro. Não é em nome de Deus que isso acontece, mas em nome desses três deuses. Tais líderes procuram apresentar a instrução num formato baseado no terrorismo. Começam as imposições, que nada têm a ver com a Bíblia. Então, a pessoa que não possui fundamento doutrinário fica prisioneira ao que ouviu impositivamente. Já atendemos pessoas que deixaram de frequentar  esse tipo de congregação. Saíram de ministérios assim, por conta dos direcionamentos autoritários ou amedrontadores. As pessoas precisam de ajuda psicológica e serem acolhidas amorosamente para se sentirem livres. Afinal de contas, Jesus nos diz que, se conhecermos a verdade, ela nos libertará. Tem que fazer um trabalho de acolhimento profundo, de companheirismo cristão”, afirmou o pastor, que tem 48 anos de ministério.
A busca por fama, dinheiro e poder não é exclusiva das lideranças de hoje. A Bíblia está repleta de exemplos de autoridades religiosas, até porta-vozes de Deus, que sucumbiram a esse desejo. Um episódio se passa no Evangelho de Mateus (20:20-21), quando a mãe dos discípulos Tiago e João pede a Jesus que, com a chegada do Reino, seus dois filhos pudessem “se assentar” um à esquerda e outro à direita, numa tentativa de ter autoridade sobre os outros.
No entanto, Jesus foi rápido para ensinar que o modelo, no Reino de Deus, não era esse: “Sabeis que os governadores dos povos os dominam e que os maiorais exercem autoridade sobre eles. Não é assim entre vós; pelo contrário, quem quiser tornar-se grande entre vós, será esse o que vos sirva; e quem quiser ser o primeiro entre vós será vosso servo; tal como o Filho do Homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos”, afirmou Jesus (Mateus 20:24-28).
O apóstolo Pedro também deu uma orientação semelhante, em sua primeira epístola: “Apelo aos presbíteros que há entre vocês (...)  pastoreiem o rebanho de Deus que está aos seus cuidados. Olhem por ele, não por obrigação, mas de livre vontade, como Deus quer. Não façam isso por ganância, mas com o desejo de servir. Não ajam como dominadores dos que lhe foram confiados, mas como exemplo para o rebanho” (1 Pe 5:1-3).
Para o pastor Erasmo, há uma forma de escapar da tentação da dominação. “Quando a pessoa é chamada para o ministério, não está vacinada contra todas essas tentações. Tem que pautar a vida na total dependência do Espírito Santo. O líder de uma igreja deve ter vida devocional”.
“O grande desafio do líder é fazer com que as pessoas aprendam a se relacionar com Deus, a depender de Deus e não entregar suas decisões à liderança. Hoje, infelizmente, vivemos na geração fast-food, que quer tudo rápido, fácil e pronto. Ninguém quer ter esforço, e relação com Deus demanda esforço. É mais fácil ir atrás de um guru e se sujeitar à manipulação”, atestou a terapeuta Anna Eliza.
Para Marília, o que tem de ser combatido é a idolatria a líderes, pastores, apóstolos e afins. “Precisamos buscar ambientes saudáveis, com uma teologia contextualizada, que faça uma leitura do mundo baseada na graça, no amor, no perdão, olhando sempre para Jesus. Precisamos combater a idolatria ao líder a todo custo. Pastores são seres humanos como nós, falíveis, fracos, e precisam ser tratados como tal”.
Hoje, talvez neste momento, há muitos que se encontrem debaixo desse jugo do abuso espiritual. Reconhecer essa condição é o primeiro passo para os que buscam se livrar desse tipo de relacionamento. Decidir se libertar e perdoar os abusadores pode ser um processo difícil e demorado, mas é ele que conduz à liberdade que Cristo conquistou na cruz para cada um de nós.

A matéria acima é uma republicação da Revista Comunhão. Fatos, comentários e opiniões contidos no texto se referem à época em que a matéria foi escrita. 

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

sábado, 8 de agosto de 2015

FELIZ DIA DOS PAIS!

COMO SER UM FILHO DE DEUS.
“Mas a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus: aos que crêem no seu nome”. João 1.12
Um dos textos mais esclarecedor que encontramos é João 1.12. Nele recebemos uma revelação especial escrita pelo apóstolo João: COMO POSSO SER FEITO UM FILHO DE DEUS!
Primeiramente João diz que todos que receberam a Jesus como Senhor e salvador da sua alma recebe o poder de ser feito filho de Deus.

Antes era apenas uma criatura de Deus, após receber Jesus é feito um Filho de Deus.
Segundo: Isso acontece porque recebemos e cremos no nome de Jesus Cristo como único salvador das nossas vidas.
Neste  Domingo, dia dos pais, receba e creia em Jesus Cristo como seu salvador e serás feito um filho de Deus.

Presentei a Deus, nosso Pai, entregando teu coração para Ele. “Dá-me , filho meu, o teu coração...” Provérbios 23.26(a) FELIZ DIA DOS PAIS!

domingo, 9 de fevereiro de 2014

JESSICA SANTOS, SONHO REALIZADO.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

sábado, 6 de julho de 2013

sábado, 29 de junho de 2013

sábado, 15 de junho de 2013

terça-feira, 4 de junho de 2013

MSBN EM MOÇAMBIQUE.

quinta-feira, 16 de maio de 2013

terça-feira, 14 de maio de 2013

PÓS-GRADUAÇÃO MAPUTO MOÇAMBIQUE.

terça-feira, 9 de abril de 2013

segunda-feira, 8 de abril de 2013